sábado, 31 de maio de 2008

Prece Irlandesa

Que a estrada se abra à sua frente,
Que o vento sopre levemente às suas costas
Que o sol brilhe morno e suave em sua face,
Que a chuva caia de mansinho em seus campos...
E, até que nos encontremos de novo,
Que Deus lhe guarde na palma de Suas mãos. "

CIDADE

Cidade, rumor e vaivém sem paz das ruas,
Ó vida suja, hostil, inutilmente gasta,
Saber que existe o mar e as praias nuas,
Montanhas sem nome e planícies mais vastas
Que o mais vasto desejo,
E eu estou em ti fechada e apenas vejo
Os muros e as paredes, e não vejo
Nem o crescer do mar, nem o mudar das luas.
Saber que tomas em ti a minha vida
E que arrastas pela sombra das paredes
A minha alma que fora prometida
Às ondas brancas e às florestas verdes.



(Sophia de Mello)

Pão de queijo mineiro, uma das mais gostosas iguarias da culinária mineiras


Imagina só que delícia, um dia frio e de repente bate aquela fome habitual.
Você pensa, pensa e enquanto a sua cabeça trabalha e seu estômago se contorce, você faz aquele cafezinho.
Mas aí você percebe que só aquele líquido preto não irá resolver o seu problema, e eis quem surge em sua idéia?
O pão de queijo, quentinho e cheiroso.
Você corre até a padaria mais próxima, e por sorte, ele acabou de sair do forno.
Que maravilha!
Chegando em casa, o alimento dos seus sonhos, pelo menos naquele momento, é devorado em minutos.
O pão de queijo, produto tradicional da culinária mineira, tem se tornado cada dia mais frequente na alimentação dos brasileiros face as facilidades proporcionadas pelo processo de conservação da massa.
A expansão deste produto no mercado extrapolou as fronteiras de Minas Gerais, e até mesmo do país.
As cozinheiras das fazendas mineiras que preparavam biscoitos de polvilho para os seus senhores, no século XVIII, não podiam imaginar o sucesso que sua criação faria duzentos anos depois.
Acrescido de queijo, o biscoito tornou-se no brasileiríssimo pão de queijo, largamente consumido em todo o país.
Depois de conquistar o paladar dos brasileiros de norte a sul, o produto vem ganhando status de item de exportação, sendo comercializado para países como Estados Unidos, Inglaterra, Argentina, Alemanha, Itália, Espanha, França, Portugal, dentre outros.
Para se ter uma idéia do quanto este produto é conhecido e apreciado, estima-se que existam atualmente 500 indústrias de pão de queijo no Brasil, a maior parte (70%), é claro, se encontra em Minas Gerais.
Entre empresas legalmente registradas e fabricantes informais, a previsão de produção média é de seis mil toneladas mensais.
A Forno de Minas, uma das maiores indústrias do produto, também tem as próprias fórmulas e fazem o maior sucesso.
Criada em 1991, ela é uma das líder de pão de queijo congelado no país.
A empresa foi a primeira a utilizar equipamentos modernos aliados a rigoroso controle de higiene e sanitização.
Para tanto sucesso, pode-se pensar que exista algo muito especial na receita, ou algum ingrediente que dê o sabor e que seja difícil de ser encontrado.
Engana-se quem pensa assim.
Ele não possui uma receita padrão para ser feito. Os ingredientes são basicamente os mesmo, ovos, leite, queijo mineiro ralado, óleo, sal, manteiga de leite e polvilho, que é o amido de tapioca, a parte nobre da mandioca.
Porém, o que muda é o tipo dos componentes, quantidade e variedade.
É isso que faz com ele não seja igual, cada pessoa que o faz tem o seu segredinho para que fique mais douradinho ou mais crocante.
Podendo ser recheado ou não, acompanhado por suco, leite, café ou seco.
Não importa como, o que importa é a vontade de comer.

(Alessandra Goiaz Mendonça - 7 período de Jornalismo)
Tô relendo minha lida, minha alma, meus amores
tô revendo minha vida, minha luta, meus valores
refazendo minhas forças, minha fonte, meus favores
tô regando minhas folhas, minhas faces, minhas flores
tô limpando minha casa, minha cama, meu quartinho
tô soprando minha brasa, minha brisa, meu anjinho
tô bebendo minhas culpas, meu veneno, meu vinho
escrevendo minhas cartas, meu começo, meu caminho
estou podando meu jardim estou cuidando bem de mim.
(Vander Lee)

Nos seus olhos

Olhe nos meus olhos
E diga o que você
Vê quando eles vêem
Que você me vê?

Olho nos seus olhos
E o que eu posso ler?
Que eles ficam melhores
Quando eles me leêm

Eu leio as suas cartas
Eu vejo a letra
Meu Deus que homem forte
Que me contempla

Sou sua mas não posso ser
Sou seu mas ninguém pode saber
Amor eu te proíbo
De não me querer

Olho nos seus olhos
E sinto que você
Faz eles brilharem
Como o astro-rei

Olhe nos meus olhos
E o que você vai ver?
Seu rosto iluminado
A Lua de um além

Eu leio as suas asas,
Borboletas
Meu Deus que linda imagem
Me atormenta

Sou seu mas eu não posso ser
Sou sua mas ninguém pode saber
Amor eu te proíbo
De não não me querer
De não me querer
não me querer
De não me querer

(Nando Reis)
Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça
É ela a menina que vem e que passa
Num doce balanço (...)
Ah, se ela soubesse que quando ela passa
O mundo sorrindo se enche de graça
E fica mais lindo por causa do amor.!!!

(Tom Jobim)

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Não Vá Embora

E no meio de tanta gente eu encontrei você
Entre tanta gente chata sem nenhuma graça, você veio
E eu que pensava que não ia me apaixonar
Nunca mais na vida
Eu podia ficar feio só perdido
Mas com você eu fico muito mais bonito
Mais esperto
E podia estar tudo agora dando errado pra mim
Mas com você dá certo
Por isso não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais
Eu podia estar sofrendo caído por aí
Mas com você eu fico muito mais feliz
Mais desperto
Eu podia estar agora sem você
Mas eu não quero.

(Marisa Monte)

Pra você eu digo sim

Se eu me apaixonar, vê se não vai debochar da minha confusão,
uma vez me apaixonei e não foi o que pensei
estou só desde então...
Se eu me entregar total, meu medo é você
pensar que eu sou superficial...
Se eu não fizer amor assim sem mais...
Se você brigar e for correndo atrás de alguém,
não vou suportar a dor de ver,
que eu perdi mais uma vez meu amor...
Mas se eu sentir que nós estamos juntos,
longe ou a sós no mundo e além
pode crer que tudo bem, o amor só precisa de nós dois
mais ninguém...
Se você quiser ser meu namoradinho
e me der o seu carinho sem ter fim
Pra você eu digo sim!!
(Lennon/McCartney - Versão Rita Lee}
Saudade é um pouco como fome.
Só passa quando se come a presença.
Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco:
quer-se absorver a outra pessoa toda.
Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.

(Clarice Lispector)

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Quem Sabe Isso Quer Dizer Amor

Cheguei a tempo de te ver acordar
Eu vim correndo à frente do sol
Abri a porta e antes de entrar
Revi a vida inteira
Pensei em tudo que é possível falar
Que sirva apenas para nós dois
Sinais de bem, desejos de cais
Pequenos fragmentos de luz

Falar da cor dos temporais
Do céu azul, das flores de abril
Pensar além do bem e do mal
Lembrar de coisas que ninguém viu
O mundo lá sempre a rodar
E em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor,
Estrada de fazer o sonho acontecer

Pensei no tempo e era tempo demais
Você olhou sorrindo pra mim
Me acenou um beijo de paz
Virou minha cabeça

Eu simplesmente não consigo parar
Lá fora o dia já clareou
Mas se você quiser transformar
O ribeirão em braço de mar

Você vai ter que encontrar
Aonde nasce a fonte do ser
E perceber meu coração
Bater mais forte só por você
O mundo lá sempre a rodar,
E em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor,
Estrada de fazer o sonho acontecer

(Milton Nascimento - Composição: Márcio Borges e Lô Borges)
Achei você no meu jardim
Entristecido
Coração partido
Bichinho arredio
Peguei você pra mim
Como a um bandido
Cheio de vícios
E fiz assim, fiz assim
Reguei com tanta paciência
Podei as dores, as mágoas, doenças
Que nem as folhas secas vão embora
Eu trabalhei
Fiz tudo, todo meu destino
Eu dividi, ensinei de pouquinho
Gostar de si, ter esperança e persistência
Sempre
A minha herança pra você
É uma flor com um sino, uma canção
Um sonho em uma árvore ou uma pedra
Eu deixarei
A minha herança pra você
É o amor capaz de fazê-lo tranqüilo
Pleno, reconhecendo o mundo
O que há em si
E hoje nos lembramos
Sem nenhuma tristeza
Dos foras que a vida nos deu
Ela com certeza estava juntando
Você e eu.

(Vanessa da Mata)

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Final Feliz

Chega de fingir
Eu não tenho nada a esconder
Agora é pra valer
Haja o que houver
Não tô nem aí
Eu não tô nem aqui pro que dizem
Eu quero é ser feliz
E viver pra ti
Pode me abraçar sem medo
Pode encostar sua mão na minha
Meu amor,
Deixa o tempo se arrastar
Sem fim
Meu amor,
Não há mal nenhum
Gostar assim
Oh, meu bem,
Acredite no final
Feliz.

(Djavan)

terça-feira, 27 de maio de 2008

Foram se conhecendo um ao outro, cada dia uma nova descoberta.
Juntos, ele correndo pelo chão de verde grama, ela voando pelo azul do céu,
vagabundearam por todo o parque, encontraram recantos deliciosos,
descobriram novas nuances de cor nas flores, variações na doçura da brisa,
e uma alegria que talvez estivesse mais dentro deles que mesmo nas coisas em redor.
Ou bem a alegria estava presente em todas as coisas e eles não a viam antes.
Porque - eu vos digo - temos olhos de ver e olhos de não ver,
depende do estado de coração de cada um.
(Jorge Amado)

Eu Sonhei Com Você

Eu sonhei com você
E acordei sem querer
E queria continuar
E foi tão bom imaginar
Você tão bem a me sonhar
Um sonho tão real assim
Não pode ter afinal, nascido só pra mim
Ora direis, ouvir estrelas
Perdeste o senso meu bem
Ou tudo foi brincadeira
Me deixe saber o que os anjos sentem por lá
Mas pare bem perto, baixinho, pra não acordar
Um sonho tão feliz assim
Não deveria ter mais fim
Eu quero voltar a escutar
Dos seus lábios galáxias dizendo que sim.

(Juliana Diniz)

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Não tem volta

Se você vai por muito tempo
Você nunca volta.
Você retorna,
Você contorna
Mas não tem volta
A estrada te sopra pro alto
Pra outro lado
Enquanto
Aquele tempo
Vai mudando.
Aí, de quando
Em quando você lembra
Aquele beijo,
Aquele medo
Mas você sabe
Que tudo ficou antigo
E você não volta
Nem com escolta
Nem amarrado
Porque o passado
Já te perdeu
E o perigo
Muda mesmo de endereço
Não existe pretexto.
O dia mudou
O carteiro não veio
O principio é o meio
E você retorna
Mas não tem volta.
(Zélia Duncan)

Quando A Gente Ama

Quem vai dizer ao coração,
Que a paixão não é loucura
Mesmo que pareça
Insano acreditar
Me apaixonei por um olhar
Por um gesto de ternura
Mesmo sem palavra
Alguma pra falar
Meu amor,a vida passa num instante
E um instante é muito pouco pra sonhar
Quando a gente ama,
Simplesmente ama
É impossível explicar
Quando a gente ama
Simplesmente ama!

(Oswaldo Montenegro)

A Lista

Faça uma lista de grandes amigos
Quem você mais via há dez anos atrás
Quantos você ainda vê todo dia
Quantos você já não encontra mais...
Faça uma lista dos sonhos que tinha
Quantos você desistiu de sonhar!
Quantos amores jurados pra sempre
Quantos você conseguiu preservar...
Onde você ainda se reconhece
Na foto passada ou no espelho de agora?
Hoje é do jeito que achou que seria
Quantos amigos você jogou fora?
Quantos mistérios que você sondava
Quantos você conseguiu entender?
Quantos segredos que você guardava
Hoje são bobos ninguém quer saber?
Quantas mentiras você condenava?
Quantas você teve que cometer?
Quantos defeitos sanados com o tempo
Eram o melhor que havia em você?
Quantas canções que você não cantava
Hoje assobia pra sobreviver?
Quantas pessoas que você amava
Hoje acredita que amam você?

(Oswaldo Montenegro)

domingo, 25 de maio de 2008

Um Dia Você Aprende

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.
E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.
E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.
E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam... E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destrui-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida.
Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você é na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.
Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.
Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que você mesmo pode ser.
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.
Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.
Aprende que paciência requer muita prática.
Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.
Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não lhe dá o direito de ser cruel.
Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás.
Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.
E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.
E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!
Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar.

(Willian Shakespeare)‏

Fale com Ela (Hable con Ella, 2002)

Sinopse: Benigno (Javier Câmara) e Marco (Darío Grandinetti) são dois desconhecidos que acabam virando amigos em decorrência do destino. Enquanto esperam com toda a esperança possível as mulheres por quem são apaixonados, – Alicia (Leonor Watling)e Lydia (Rosario Flores) –, saírem do estado de coma do hospital, acabam tendo uma afinidade muito grande. Benigno possui uma espécie de amor platônico por Alicia, pois apaixonou-se sem ter tido tempo de ser correspondido, antes do acidente dela. Marco, em contrapartida, após o acidente, não consegue definir muito bem seus sentimentos com relação a Lydia, e tem dificuldades de lidar com ela na cama do hospital. Ambos só podem fazer uma coisa enquanto esperam: falar com elas.

Pedro Almodóvar Caballero" é o cineasta espanhol de maior renome mundial atualmente. Sua filmografia é repleta de filmes onde a presença feminina é o ponto principal das tramas, as cores berrantes e a política espanhola também são destaques em seus roteiros. Para Almodóvar seus filmes são tão autobiográficos quanto poderiam ser, suas experiências de vida são suas fontes de inspiração."

sábado, 24 de maio de 2008

Soneto de Fidelidade

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa (me) dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

(Vinícius de Moraes)

Panorama Além…

Não sei que tempo faz, nem se é noite ou se é dia.
Não sinto onde é que estou, nem se estou. Não sei nada.
Nem ódio, nem amor. Tédio? Melancolia.
- Existência parada. Existência acabada.
Nem se pode saber do que outrora existia.
A cegueira no olhar. Toda a noite calada
no ouvido. Presa a voz. Gesto vão. Boca fria.
A alma, um deserto branco: - o luar triste na geada…
Silêncio. Eternidade. Infinito. Segredo.
Onde, as almas irmãs? Onde, Deus? Que degredo!
Ninguém… O ermo atrás do ermo: - é a paisagem daqui.
Tudo opaco… E sem luz… E sem treva… O ar absorto…
Tudo em paz… Tudo só… Tudo irreal… Tudo morto…
Por que foi que eu morri? Quando foi que eu morri?

(Cecília Meireles)
Flor minha
Minha dor.
Dou-te ela
Dou-te vida
Flor ventre
Corpo amor.
Podas ela
Despes eu
Mata sonho
Sonho meu.
Gotas d’água
Brilho sol
Vento fresco
Vendaval.
Varre tudo
Remexe fundo
Renasce o mundo
Mundo meu.
Sempre amor
Sempre flor
Floresce forte
Depois da morte.
Raiz minha
Raiz forte
Flor linda
Linda sorte.
A minha vida
A minha morte.

(Carolina Salcides)

Desejos

Desejo a você...
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não Ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.
(Carlos Drummond de Andrade)

Samba da Benção

É melhor ser alegre que ser triste
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração
Mas pra fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristez
É preciso um bocado de tristeza
Senão, não se faz um samba não
Senão é como amar uma mulher só linda
E daí?
Uma mulher tem que ter
Qualquer coisa além de beleza
Qualquer coisa de triste
Qualquer coisa que chora
Qualquer coisa que sente saudade
Um molejo de amor machucado
Uma beleza que vem da tristeza
De se saber mulher
Feita apenas para amar
Para sofrer pelo seu amor
E pra ser só perdão
Fazer samba não é contar piada
E quem faz samba assim não é de nada
O bom samba é uma forma de oração
Porque o samba é a tristeza que balança
E a tristeza tem sempre uma esperança
A tristeza tem sempre uma esperança
De um dia não ser mais triste não
Feito essa gente que anda por aí
Brincando com a vida
Cuidado, companheiro!
A vida é pra valer
E não se engane não, tem uma só
Duas mesmo que é bom
Ninguém vai me dizer que tem
Sem provar muito bem provado
Com certidão passada em cartório do céu
E assinado embaixo: Deus
E com firma reconhecida!
A vida não é brincadeira, amigo
A vida é arte do encontro
Embora haja tanto desencontro pela vida
Há sempre uma mulher à sua espera
Com os olhos cheios de carinho
E as mãos cheias de perdão
Ponha um pouco de amor na sua vida
Como no seu samba.

(Vinícius e Toquinho)

Turbilhão

Venha se perder nesse turbilhão.
Não se esqueça de fazer
Tudo o que pedir esse seu coração.

Tem muita gente que só vive pra pensar;
Existe aquele que não pensa pra viver.
Eu, por exemplo, na paixão,
Mesmo que tenha que sofrer,
Eu abro o jogo e o coração
E deixo o meu barco correr.

Tem muita gente que não quer se complicar;
Existe aquele que não perde a sua fé.
Eu, por exemplo, meu amigo,
Pelo amor de uma mulher,
Eu viro a cara pro perigo
E seja lá o que Deus quiser.

(Vinicius de Moraes/Toquinho)

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Não quero alguém que morra de amor por mim…
Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo,
quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim…
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível…
E que esse momento será inesquecível..
Só quero que meu sentimento seja valorizado.
Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre…
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.
Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém…
e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos,
que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras,
alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho…
Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons
sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente
importa, que é meu sentimento… e não brinque com ele.
E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca
cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter
forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe…
Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia,
e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos,
talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas…
Que a esperança nunca me pareça um “não” que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como “sim”.
Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder
dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim,
sem ter de me preocupar com terceiros…
Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão…
Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas,
que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim…
e que valeu a pena.

(Mário Quintana)

Saber Viver

Não sei... Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia, Desejo que sacia,
Amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura...
Enquanto durar

(Cora Coralina)

Almas Gêmeas

Fluido que se espalha,
preenche... molha.
Que escorre pela pele,
pelos poros...
beijo que toca, molha...
entrelaça.
No encontro de corpos, e de almas,
existirá um toque,
duas bocas...
êxtase...
um desejo.
Sinto-te!
Quero-te!
Não te vejo...
não sei onde estás.
Mas, lá no fundo,
sei que um dia,
num mágico momento,
olharei nos teus olhos,
sentirei o teu beijo,
e nada mais impedirá que tu e eu,
possamos ser
somente nós.

(Cida Borges)

Oração da Paz

Senhor,
Fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio que eu leve amor,
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão,
Onde houver discórdia, que eu leve a união,
Onde houver dúvida, que eu leve a fé,
Onde houver erro, que eu leve a verdade,
Onde houver desespero, que eu leve a esperança,
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria,
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre,
Fazei que eu procure mais consolar que ser consolado,
Compreender que ser compreendido,
Amar que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
É perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive
Para a Vida Eterna.

Chega de Saudade

Vai minha tristeza e diz a ela que sem ela
não pode ser.
Diz-lhe numa prece,
que ela regresse,
porque eu não posso mais sofrer.
Chega de saudade, a realidade,
é que sem ela,
não há paz, não há beleza,
é só tristeza e a melancolia.

Que não sai de mim,
não sai de mim,
não sai.

Mas, se ela voltar,
se ela voltar que coisa linda!
Que coisa louca!
Pois há menos peixinhos a nadar no mar,
do que os beijinhos,
que eu darei na sua boca.

Dentro dos meus braços, os abraços,
hão de ser milhões de abraços,
apertado assim, colado assim, calado assim.
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim.
Que é pra acabar com esse negócio,
de você viver sem mim.
Não quero mais esse negócio,
de você viver assim.
Vamos deixar esse negócio,de você viver sem mim.

(Tom Jobim e Vinícius de Moraes)

quinta-feira, 22 de maio de 2008

VIDA

Vida são olhos que saúdam as madrugadas, acariciam as noites, escolhem sorrisos; ouvidos que recebem o barulho dos ventos, ouvem gemidos de dor, escutam palavras de amor; bocas que experimentam o deleite dos frutos e dos beijos e que recitam poemas;
narizes que sentem o cheiro da maresia, da comida que se cozinha no fogão e dos corpos suados. Pernas que andam pelos bosques e levam mensagens a lugares distantes;
braços que plantam jardins, e que se estendem para os abraços e para as lutas.
A vida é um poema enorme, uma explosão de gestos e de sentidos espalhados pelo espaço.
Mas como tudo o que é humano, a vida é também cansaço que anseia pelo sono.
Como diz o poeta sagrado, “para todas as coisas há o seu tempo, debaixo do sol; há um tempo de nascer e um tempo de morrer”.
Saber viver e também saber morrer.
Cada poema se inclina para a sua última palavra;
cada canção se prolonga na direção do seu silêncio.
Última palavra em que continuam a reverberar todas aquelas que a antecederam:
silêncio onde ressoam os sons que o prepararam.
Toda a vida é uma preparatio mortis e é por isto que a última palavra e o último gesto são um direito que ninguém lhe pode roubar.
Ao corpo pertence o direito de dizer: “É hora de partir”.

Por isto que Manuel Bandeira declarou que o seu último gesto deveria ser um poema. Pois era disto que sua vida estava cheia, de poesia:

Assim eu queria meu último poema:
Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas
Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume
A pureza da chama que consome os diamantes mais límpidos
A paixão dos suicidas que se matam sem explicações.

Texto extraído de: O Retorno E Terno
Rubem Alves, 22ª edição
Editora PAPIRUS

Tocando em Frente

Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Eu nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou
Estrada eu sou
Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir
Todo mundo ama um dia todo mundo chora,
Um dia a gente chega, e no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz
Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir
Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história,
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz.

(Almir Sater)

A Arte de Ser Feliz

Houve um tempo em que minha janela se abria sobre uma cidade que parecia ser feita de giz. Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
Era uma época de estiagem, de terra esfarelada,
e o jardim parecia morto. Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde,
e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas.
Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse.
E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.
Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
Outras vezes encontro nuvens espessas.
Avisto crianças que vão para a escola.
Pardais que pulam pelo muro.
Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.
Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.
Ás vezes, um galo canta.
Às vezes, um avião passa.
Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,
finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.

(Cecília Meireles)

quarta-feira, 21 de maio de 2008

O Sono das Águas

Há uma hora certa,
no meio da noite, uma hora morta,
em que a água dorme. Todas as águas dormem:
no rio, na lagoa,
no açude, no brejão, nos olhos d’água,
nos grotões fundos.
E quem ficar acordado,
na barranca, a noite inteira,
há de ouvir a cachoeira
parar a queda e o choro,
que a água foi dormir...
Águas claras, barrentas, sonolentas,
todas vão cochilar.
Dormem gotas, caudais, seivas das plantas,
fios brancos, torrentes.
O orvalho sonha
nas placas da folhagem.
E adormece
até a água fervida,
nos copos de cabeceira dos agonizantes...
Mas nem todas dormem, nessa hora
de torpor líquido e inocente.
Muitos hão de estar vigiando,
e chorando, a noite toda,
porque a água dos olhos
nunca tem sono...

(Guimarães Rosa)

terça-feira, 20 de maio de 2008

A Maturidade e Você


A maturidade não se conta pela idade, mas em sabedoria acumulada.

Louis Binstock, em seu livro "O Poder na maturidade", dá-nos uma lição de sabedoria de como nos comportarmos nas adversidades da vida. Segundo ele, um homem de 50 anos disse:

"Maturidade é a capacidade de ajustar-se ao fracasso e à derrota e continuar a trabalhar, esperar e tornar a alcançar o sucesso.
Maturidade é a disposição de aceitar a independência e assumir a responsabilidade pelos próprios atos.
Maturidade é a capacidade de suportar a derrota, a recusa e o desespero, enfrentar a morte honestamente e ainda viver com esperança e felicidade".

A maturidade pode ser compreendida no equilíbrio entre o sonho e a realidade na proporção exata. Ninguém pode ser completamente independente na sociedade humana. E há momentos em que é melhor ceder do que ficar esperando por um resultado incerto ou desfavorável.

Medite no poema abaixo de Rudyard Kipling intitulado "Se".

Se és capaz de manter a tua calma quando
Todo o mundo em redor já a perdeu e te culpa,
De crer em ti quando estão todos duvidando,
E para esses, no entanto, achar uma desculpa;

Se és capaz, de esperar sem te desesperares,
Ou enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
E não parecer bom demais, nem pretensioso;

Se és capaz de pensar -sem que a isso só te atires,
De sonhar -sem fazer dos sonhos teus senhores,
Se, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires
Tratar da mesma forma a esses dois impostores;

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudanças,
Em armadilhas as verdades que disseste,
E as coisas, por que deste a vida, estraçalhadas,
E refazê-las com o bem pouco que reste;

Se és capaz, de arriscar numa única parada,
Tudo quanto ganhaste, em toda a tua vida,
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
Resignado, tornar ao ponto de partida;

De forçar coração, nervos, músculos, tudo,
A dar seja o que for, que neles ainda existe,
E persistir assim quando exaustos, contudo,
Resta a vontade em ti, que ainda ordena: Persiste!

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes;
E, entre reis, não perderes a naturalidade,
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
Se a todos podes ser de alguma utilidade;

E se és capaz de dar, segundo por segundo,
Ao minuto fatal, todo valor e brilho;
Tua é a Terra com tudo que existe no mundo,
E -o que é muito mais- és um Homem, meu filho!


Quando você se sentir muito humilhado ou desgostoso da vida, pense que a vida é momentânea. Nascemos, crescemos, amadurecemos, envelhecemos e morremos. Todos os seres vivos seguem esse ciclo. Sem exceções.
Sorria, abra-se para o mundo. E o mundo sorrirá para você.
(Jornal dos Amigos)